Quanta água uma vinha precisa?

Agricultura
Descrição
Paradoxalmente, não é desejável que a videira "beba" muita água, porque isso levaria a consequências indesejadas, como uma diluição dos compostos dentro das bagas. Claro, uma marcada falta de irrigação, também é negativa.
Então ... quanto e quando a água?

A videira geralmente tem baixos requisitos de água para formar um quilo de matéria seca, sendo aproximadamente 300 milímetros de água suficientes ao longo do ano. Deve-se notar, no entanto, que esta quantidade de água será condicionada pelo tipo de varietal de uva, capacidade de armazenamento do solo, temperatura predominante, densidade de plantio, fertilização correta e sistema de condução.
Todos os itens acima são fatores que irão repensar e ajustar o volume de líquido para irrigar, assumindo que as chuvas não são suficientes. Além disso, não é o mesmo que a água a qualquer momento ou em qualquer medida, uma vez que é estimado, em regra, o de 100% da água por ano, deve ser distribuído da seguinte forma: inverno resto 2%, broto- : 10%, cera de coalhada 44%, queda de cera foliar de 44%.

No caso de um excesso de água na videira, os principais efeitos serão:

- Durante a desidratação: falta de oxigênio devido à rega, brotos curtos e folhas amareladas.
- Durante a floração: excesso de vigor nos ramos causando deficiências na coagulação e sangramento.
- Durante a vigéria: é possível atrasar tanto a época como o início da maturação.
- Após a torrefação: o tamanho da uva aumenta, mas com menor concentração de açúcar e maior teor de ácido.

Em contraste, os efeitos de uma marcada falta de água serão:

- Brotação: é irregular, com poucas flores e brotos curtos.
- Floração: redução da coalhada, bagas pequenas.
- Fertilização: mau desenvolvimento da folhagem.
- Envero: devido ao estágio anterior, diminuição do desenvolvimento e qualidade das bagas, maior susceptibilidade às geadas de outono.
- Colheita: senescência, queda de folha prematura, avanço no agostamiento e redução das reservas de carboidratos e nitrogênio.

Claro, o agrônomo e sua equipe controlam e monitoram a quantidade de milímetros de chuva, de modo a ajustar os requisitos de irrigação, se necessário. Obviamente, o fator de água é vital para videiras, bem como para todos os seres vivos, mesmo sendo uma safra bastante resistente ao déficit hídrico. Assim também, se houver um momento em que a chuva não é desejada, é nos dias próximos da colheita, possíveis complicações criptogâmicas e diluição dos compostos da uva.
Também é amplamente conhecido o efeito benéfico nos vinhos resultantes do "estresse hídrico controlado" nas videiras, uma vez que o trabalho está bem feito, melhora a cor da uva e uma maior concentração de compostos polifenólicos, muitos deles Eles participam da qualidade do vinho. Alguns desses compostos estão relacionados à forma como a planta reage a condições adversas. Claramente, essas condições devem ser devidamente gerenciadas para "não sair da linha" e causar danos à videira.
Em geral e em condições padrão, a videira leva, através dos cabelos absorventes das raízes, água e sais minerais do solo, que conduzem através dos vasos lenhosos para as folhas. Lá, num óptimo intervalo entre 25 e 35 graus, ocorre a fotossíntese, o fenômeno fantástico onde a folha recebe os raios do sol, transforma-os em energia química e gera açúcares e carboidratos, que são enviados para os clusters, o tronco e raízes pelos navios liberianos. Além disso, o dióxido de carbono é consumido e o oxigênio é liberado.
Por outro lado, durante a respiração da planta, o oxigênio é consumido e os açúcares são degradados nas folhas, liberando dióxido de carbono; e também, através das mesmas folhas, a transpiração ocorre, onde a planta perde água por evaporação para regular sua temperatura. Tudo isso em um equilíbrio perfeito e natural. E é precisamente não alterar muito este equilíbrio natural, é preciso ter cuidado nos níveis de estresse hídrico a serem aplicados.
Como ressaltamos várias vezes, o vinho nasceu na vinha. Esse é o berço. De uma boa fruta, com um bom enólogo, você consegue um bom vinho, uma fruta ruim, você recebe um vinho ruim. Não há chances. É por isso que a atenção e o cuidado da vinha e das plantas é fundamental. Consciente disso, as vinícolas estão cada vez mais tentando estudar os terrões e as diferentes condições ideais a serem seguidas, para alcançar uma campanha vinícola de maior qualidade, ano a ano.
Por Diego Di Giacomo
diego@devinosyvides.com.ar
Sommelier - Membro da Associação Mundial de Vinhos e Espíritos Jornalistas e Escritores

Também sugerimos

Saúde
Este probiótico tem origem nas montanhas do Cáucaso, onde foi descoberto e é feito há séculos. Kefir é um probiótico produzido através da fermentação do leite. Possui um aspecto semelhante ao Iogurte, mas o seu valor nutricional e terapêutico é muito superior. Tanto o Iogurte como o kefir são produtos fermentados, feitos a partir do leite. Existem grupos de bactérias que não existem no Iogurte, como a Lactobacillus caucasus, Leuconostoc, e espécies de Acetobacter e Streptococcus. O kefir contém também leveduras benéficas como as Saccharomyces kefir e Torula kefir, que dominam, controlam e eliminam as leveduras patogénicas (prejudiciais) presentes no organismo. O kefir pode ser feito a partir de qualquer tipo de leite (vaca, cabra ou ovelha, soja, coco ou arroz). Tem aparência de uma massa branca e gelatinosa, composta por proteínas, Lípidos e mucopolissacarídeo solúvel (kefiran). A bebida pode ser preparada em casa, adicionando os grãos de kefir no leite e armazenar adequadamente. O líquido fermenta em aproximadamente 24 horas, a uma temperatura de 18-30ºC. Depois deste período, o leite deve ser coado e os grãos do kefir são adicionados a outro leite, fazendo assim de forma cíclica, por tempo indeterminado. Tem consistência cremosa, com sabor agridoce e refrescante, e pode conter de 0.08 a 2% de álcool na sua composição. Todos esses microrganismos utilizados na produção de leites fermentados possuem efeitos desejáveis ao organismo e, portanto, são considerados microorganismos seguros (CRAS) (JAY,1996). Possuem a característica de resistir ao suco gástrico, sais biliares e de se adequar à possível presença de antibióticos. Desta forma chegam vivos ao intestino em quantidades suficientes para promover efeitos benéficos e auxiliares na redução de riscos de algumas doenças.
Doença
Inflamação dos folículos pilotos (rosto, pescoço, tórax) com pontos negros (comedões) e pápulas infectadas. E benigna no adolescente e tenaz no adulto. Pode reaparecer no stress, desequilíbrio hormonal,emoções. Atenção: A forma crónica é mais agressiva e de difícil tratamento, sendo por vezes necessária a politização de antibióticos.
Doença
Sintoma também conhecido como pirose. E uma sensação de queimadura ou de ardor, que normalmente se localiza na vulgarmente chamada "boca do estômago", que anatomicamente cor-responde à união entre o esófago e o estômago. No estômago existe sempre um certo grau de acidez, necessário para a digestão, mas não percebido como tal. A sensação de acidez percebe-se realmente no esófago, quando o ácido do estômago reflui para cima, saindo do estômago, e atinge a zona inferior do esófago. A fitoterapia dispõe de plantas capazes de proteger as mucosas digestivas e de absorver ou neutralizar o excesso de ácido. Ao contrário dos medicamentos alcalinos, as plantas medicinais não provocam efeito de ricochete (aumento da acidez depois de ter passado o efeito curativo).